In(só)mnia

Corri mundos em flecha. Imagens à velocidade da luz queimam-me as pálpebras. O ardor e o odor a carne queimada faz-me sentir em casa. As nuvens de fumo sobem até ao tecto, para morrerem e pairarem sobre o éter. Uma cara ganha forma. (Será o meu longo e distante amigo cuja voz me acompanha?)

Já não consigo respirar. Dói-me o simples pestanejar. Estou semi-morto. Um trapo. Não, um trapo não, estou apenas retido num mundo seco e disforme. É isso.

Boa… já aprendeste a regurgitar a decadência sob a forma de auto-(des)crença. Continua.

Sim, quero resguardar o corpo das intempéries. Escorrego cada vez que me levanto e dou o passo seguinte. Sinto o destino longínquo. Mundos, muitos mundos. Muitas retinas e queimaduras tão perto. Sinto o vómito a saborear o pescoço. Caio no fundo. O poço rasga-se na carne em sentido espiral cuja direcção aponta para fora do quarto. Será o Céu? Tão abalado espírito conseguirá atingi-Lo? Não. Quero dormir. Isso.

Que deleite.

Isso, adormece em plena insónia. Que admirável mundo novo…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s