(Re)torno

Percorro paisagens e paisagens em direcção ao nada. Múltiplas fracturas significam quimeras. O sonho acordado reflecte o meu eu paralelo aos meus eus quando durmo. A vigília confunde-se no sono. Esbatem-se pensamentos, discursos e narrativas.

Deixei de ser eu ou passei a ser eu? Fugi de mim ou retornei a mim?

Ressurjo das profundezas. Das cinzas do tempo refaço-me, como Fénix. Talvez me tenha absolutizado. A dor já não importa. Agora percorro desertos. Corro e corro e corro até ficar sem ar. Até cair no chão. Talvez morra feliz. Ou cansado. Já não sei o que digo.

De profundis clamo ad te, domine.

One thought on “(Re)torno

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s